quarta-feira, 1 de julho de 2009

Guia rápido de construção de protótipos de jogos – parte 1

Faz tempo que eu estou planejando para escrever uma série de posts sobre construção de protótipos, mas nunca dá certo. Agora vai! Pretendo apresentar aqui algumas dicas e ideias de como eu monto os meus protótipos de games e já convido todos os leitores para participarem e também mandarem suas metodologias de criação e produção para futuros posts.

Vou falar hoje sobre dois itens: o pré-protótipo e montagem de cards protótipo.

O Pré-Protótipo

Algumas pessoas tem uma ideia para um game e já vão direto para o computador. Começam a se preocupar com arte-final e deixam a mecânica um pouco de lado. Recomendo, antes de tudo, criar um pré-protótipo; ou como costumo chamar “prototipão” (protótipo no papel de pão).

Use papel e canetinha mesmo, não tem problema ficar tosco. Aqui estamos prezando a jogabilidade para depois pensar em layout. Teste bastante para achar erros e só depois que estiver com uma mecânica fechadinha parta para a construção do protótipo final.

Montando cards para protótipos

Eu consegui uns resultados bens felizes montando cards para protótipos. Todo mundo que viu, gostou bastante. Vou contar como eu os faço.

Normalmente monto no Illustrator (se for um card vetorizado) ou no Photoshop (quando vai usar foto e textura) em 300 dpi de resolução, escala CMYK. Como referência de tamanho uso os cards de magic ou de jogos da Rio Grande, que gera um arquivo de 6,4 x 8,9 cm.

Eu costumo imprimir em impressora à laser, normalmente já levo um arquivo em formato A3 com várias cartas frente e verso. Depois faço o seguinte: recorto as bordas da folha da frente e da folha de verso e colo um sulfite de gramatura 150g entre elas. Veja o diagrama abaixo.

Eu uso cola spray que não deixa bolha e permite reposicionar o papel sem estragar se alguma coisa ficar torta.

Para finalizar, sempre embalo os cards em deck protector. Pois, se você vai embaralhar depois, corre o risco de desmontar. Eu deixo os meus cards com canto quadrado, mas se você quer caprichar mesmo pode comprar uma “cantoneira” para fazer bordas redondas no material.

É isso aí. Espero que tenham gostado. No próximo post vou falar sobre montagem de tabuleiros para protótipos. Szia!

6 comentários:

TI84 disse...

vc ja jogou yu-gi-oh!

FuzaroBR disse...

o chato é que no interior a gente não acha os "materiais" necessários pra produzir qualquer coisa "jogável"... e comprar fora sai caro demais...
enqt isso, a gente se vira com o pouco que tem. mas é muito interessante ver iniciativas como essa meu caro... parabéns... e só uma dúvida, quanto sai uma "cola spray" dessa por aí ?

VINCE VADER disse...

FuzaroBr, um tubo desse sai uns R$ 30 a 35 reais. Dura bastante.

Alexander "Shamou" Costa disse...

Ficou legal seu texto sobre prototipagem Vince. Mas eu não gosto fazer cartas nesse metodo. Prefiro fazer frente e verso direto usando papel de 220 ou 240 gr.

A minha impressora é uma epson e da para fazer isso numa boa.

E o plastico uso o 6x9 comprado no Saara aqui no Rio de Janeiro.

Cacá disse...

Boa Vince... eu tb sou da "turma" que prefere imprimir frente/verso, mas as vezes pra casar os lados é foda... =)

Abraços...

Askani' Sun disse...

hj em dia com a impressão em gráficas sai até mais barato vc ir lá e imprimir a frente e verso....