segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Rise to nobility - the future of the five realms

Quem acompanha o Game Analyticz sabe que eu, atualmente, não sou grande fã de jogos de longa duração. No entanto, joguei as três horas e meia de Rise to Nobility com muito gosto. O tema gira em torno de indivíduos em uma terra de fantasia conquistando espaço na nobreza; um jogo de ascensão social.



É um worker placement cheio de mini mecanismos marotos, mas o que eu gostei mesmo foi como a temática de fantasia medieval foi bem ajustada com esse ponto.



Os players tem um mini tabuleiro para gerenciar a população do reino e um tabuleiro maior para disputarem a alocação de trabalhadores. A brincadeira gira em torno de alocar seus dados remanejando os valores dentro de uma escala de prestígio. No início do game resultados altos nos dados são ruins porque permitem poucas ações; o lance é ter dados com valores baixos. Nesse ponto trouxe uma lembrança do Kingsburg.



Gostei de como o andamento da pontuação é feito bem cadenciado. Na partida que jogamos foi só na última rodada que enxergamos o ganhador.



Pra fazer um contraponto, achei que algumas áreas do tabuleiro acabam ficando meio função por conta de opções melhores (mas isso é típico de worker placement).



Layout e ilustras interessantes. Bom game pra um domingo chuvoso com bons amigos.

#GoGamers

domingo, 7 de outubro de 2018

Origin

Origin é um game sobre o surgimento do humano no planeta. Sobre tribos migrando por uma terra ancestral. As peças que representam os humanos são sensacionais: madeira com entalhes maravilhosos. Temática bacana e jogo bem inteligente, mas o mecanismo de expansão das peças me confundiu um pouquinho.



Tudo começa de um ser humano que está em algum lugar da Africa e é preciso ir expandindo para outros territórios. As peças são coletivas e vc pode dar "spawn" da peça de um oponente. É possível expandir gerando um outro humano de mesmo tamanho e força com cor diferente, mesma cor e tamanho com força diferente ou mesma cor e força com tamanho diferente. Isso me confundiu um pouco. Senti que faltou uma cartinha com uma ajuda visual mais clara de como fazer a expansão das tribos.







Apesar da confusão inicial fui pegando a manha no meio do caminho. Foi divertido, mas perdi miseravelmente. =)



Mais um título com excelente acabamento. Fez a alegria da joga mais recente.

#GoGamers

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Fruit Salad

Uma versão modificado de "Pif Paf" bem divertida. Mais um bom exemplo de jogo casual que pode fazer a alegria da família ou de um final de churrasco. Mais um que descobri no Game Lab da ESPM.



Rola-se um dado de número e um de fruta (ex.: 5 melancias). Os jogadores vão jogando as cartas que possuem diferentes frutas. Quando algum jogador achar que há 5 ou mais melancias ele bate na mesa. Se acertar ele se livra das cartas da mão, se errar pega as cartas para a mão. O objetivo é bater a mão.

Simples, casual e rápido. A Devir lançou aqui nas terras brasileiras.

#GoGamers

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

SALDÃO GAME ANALYTICZ

Fala, galera. Estou me desfazendo de alguns games. É preciso abrir espaço para novos títulos na ludoteca. O foco desse saldão são os meus queridos abstratos. Clica nas ofertas a seguir para acessar a página do game no BGG.

Se interessar algum game, me manda e-mail >> vincevader@gmail.com

Levando mais de um a gente negocia desconto e jogo brinde surpresa. Ah, sim! Todos os games estão em excelente estado. Praticamente novos como se tivessem saído da loja.

 https://boardgamegeek.com/boardgame/201/rose-king

domingo, 23 de setembro de 2018

Dragon Castle

Cara, que joguinho gostoso. Dragon Castle foi uma feliz surpresa que joguei recentemente. Além de muito gostoso de jogar o game tem um pacote de tiles de resina caprichadaços (a arte realmente faz uma puta diferença no game).



A primeira coisa "terapêutica" que os players fazem em Dragon Castle é montar o castelo com as peças de resina no tabuleiro central. No manual há várias sugestões de layout para combinar as peças, mas você pode criar a sua maneira de organizar as peças também. O importante é que tenha três andares e - minimamente - alguns degraus.



Uma vez que o castelo é construído no tabuleiro central os jogadores vão removendo as peças dele para construírem em seus tabuleiros individuais. Algumas regras de destaque: 1) só possível retirar tijolos que tenha uma lateral maior livre; 2) é possível pegar tijolos em pares de figuras; 3) é possível pegar uma casa e um tijolo qualquer (casas serão construídas na estrutura de tijolos); 4) destruir uma peça do seu tabuleiro para eliminar uma do tabuleiro maior. Com isso, as peças vão saindo do meio e sendo reconstruídas nos tabuleiros individuais.





Nos tabuleiros individuais é possível subir andares para construir as casinhas (que irão pontuar a mais). Tem aquela essência abstrata gostosa e os componentes são realmente a grande experiência do jogo.

Realmente é bem zen. Relaxante e estratégico.

Mais um bom conhecido.

#GoGamers

domingo, 16 de setembro de 2018

Batalha das gerações

Opa! Eis que semana passada chegou nas lojas de brinquedos de todo o Brasil o novo projeto que eu participei com a Grow Jogos: o game BATALHA DAS GERAÇÕES.

É um game família onde a ideia é jogar adultos x crianças. A ideia básica já é conhecida: adultos perguntam fatos do passado para os mais jovens e estes perguntam atualidades do mundo pop para os adultos. Em meios aos quizzes há um sem número de outros desafios, provas, testes e gincanas para brincar.



Fui responsável por toda a criação de conteúdo do game: as perguntas de múltipla escolha (quizzes), os enigmas de resposta única, as provas de desafio e as cartas de "você me conhece" (onde os jogadores tem que mostrar que sabem tudo ou nada dos oponentes).

Projeto divertido e mais um emplacado com a Grow! Mais um game pro portfolio que não para de crescer.



Ano que vem tem mais um projeto legal chegando com essa galera!

#GoGamers

domingo, 9 de setembro de 2018

1,2,3

Eu defendo que a gente tem que jogar de tudo. Principalmente se você trabalha com desenvolvimento de jogos. Recentemente as grandes surpresas que tive vieram de games infantis e "1,2,3" foi um deles.



Joguei no Game Lab da ESPM e me foi apresentado pelo amigo Maurão. Basicamente é um jogo de memória. Alternando turnos os jogadores pegam um punhado de animais de madeira e espalham pela mesa. O jogador da vez compra um carta que tem uma instrução sobre o que fazer com as peças (trocar uma de lugar, adicionar um elemento, remover uma, trocar duas peças de lugar etc.). Enquanto esse jogador faz o movimento, os demais ficam de olho fechado e quando abrem devem descobrir o que mudou na mesa. Quem acerta ganha ponto.



Divertido pra jogar em família e com uma ideia simples e legal.

Bom exemplo pra aulas.

#GoGamers